Por Manuela Marques Tchoe

Manuela Marques Tchoe é executiva de marketing em Munique e blogueira do “Baiana da Baviera¨, um blog de cultura & literatura. Sempre em busca de um olhar diferente sobre os aspectos cotidianos da Alemanha e do mundo.

Era uma vez…

… um tempo em que o paganismo e o catolicismo conviviam em tradições. Na era medieval, as pessoas achavam simbolismo na natureza, na mudança das estações. No começo do inverno, ou em 21 de dezembro, comemorava-se o solstício de inverno (o primeiro dia da estação mais fria), uma celebração que incluía pinheiros como decoração como símbolo de vida através dos meses duros do inverno. Foi no século IV em que o Natal começou a ser celebrado no dia 25 de dezembro para a Europa Ocidental e Américas (dia 7 de janeiro é o Natal dos ortodoxos, devido à diferença do calendário juliano, utilizado ainda hoje para celebrações). A nova data deu início às novas tradições comemorativas do nascimento de Cristo, com o tempo retocada por diversos personagens, de São Nicolau até Martinho Lutero, e invenções como a árvore de Natal e outros símbolos.

O santo generoso e as origens do Papai Noel

São Nicolau, um bispo da Igreja católica que se tornou uma lenda por sua generosidade e seu afã de distribuir presentes, viveu no século IV onde hoje se conhece por Turquia. O dia de sua morte – 6 de dezembro – é honrado com o dia de São Nicolau, no qual crianças recebem presentes na noite anterior (e descobrem na manhã do dia 6). A figura do santo foi se modernizando até chegar à caricatura do Papai Noel atual, que foi criada pelo alemão Thomas Nast na década de 1860 (e não pela Coca Cola, como muitos acreditam).

Papai Noel criado pelo alemão Thomas Nast,
Papai Noel desenhado pelo alemão Thomas Nast, 1889 (foto: Library of Congress)

Thomas Nast nasceu em Landau, na Alemanha, e ainda criança mudou-se para os Estados Unidos com sua família. O desenhista criou a imagem de Papai Noel que conhecemos hoje: gordinho, barbudo, velho e simpático. Mais tarde essa imagem foi utilizada para propaganda da Coca-Cola, difundido-a pelo mundo.

Na Alemanha, entretanto, o dia de São Nicolau ainda é celebrado por crianças, que deixam suas botas do lado de fora para encontrar na manhã seguinte uma enxurrada de chocolates, presentinhos e tangerinas.

O frade alemão e o Menino Jesus

Martin Luther
Martin Luther (foto: Pixabay)

Martinho Lutero declarou há 500 anos atrás que as pessoas podem encontrar Deus sem a interferência do Papa, dando início à Reforma Protestante. O frade não gostava da tradição católica de comemorar a morte de um santo – o São Nicolau – assim como detestava que o solstício de inverno fosse tão próximo ao dia (oficial) de nascimento de Cristo. Lutero tinha como objetivo enfatizar a importância do Dia de Natal, assim como anular a adoração a São Nicolau no dia 6. Portanto, não é São Nicolau quem dá os presentes, mas sim o Jesus Menino (Christkind) no dia 25.

Hoje em dia, as duas tradições convivem lado a lado, mas é ainda no dia 25 que as crianças receberão os presentes de Natal. Muitos, inclusive na Alemanha, deixaram a tradição do Christkind de lado e referem-se ao Papai Noel como o entregador de presentes, para a decepção dos mais tradicionais.

Os mercados de Natal na Alemanha e biscoitos caseiros para exportação

No período do Advento de quatro semanas (Adventszeit) qualquer cidadezinha da Alemanha terá os famosos mercados de Natal (Weihnachstmarkt ou Christkindlmarkt), uma moda que pegou no exterior.

Muitas das coisas que vemos nos mercados como o Glühwein (vinho quente), castanhas e quitutes, assim como artesanato local, são manifestações do que conhecemos do Natal moderno. Foi através desses mercados, cuja tradição começou no século 15 (o mercado de Dresden é o mais antigo – desde 1434), que as decorações que conhecemos foram parar nos Estados Unidos, que então popularizaram (e banalizaram) a forma atual do Natal.

Glühwein, o vinho quente tradicional dos mercados de Natal
Glühwein, o vinho quente tradicional dos mercados de Natal (foto: Manuela Marques Tchoe)

Já a tradição de biscoitos caseiros começou na Europa Medieval (não se sabe exatamente onde), mas é na Alemanha onde se criou diversos tipos de doces e biscoitos, como o Lebkuchen (pão de gengibre ou especiarias).

Tradição natalina: biscoitos caseiros
Tradição natalina: biscoitos caseiros (foto: Manuela Marques Tchoe)

A árvore de Natal, a coroa do Advento: invenções alemãs

Como dito anteriormente, os pinheiros já eram utilizados tradicionalmente como símbolos de vida para as comemorações do solstício de inverno, e ao longo dos séculos a árvore continuou sendo um símbolo importante desse período do ano. Mas foram os alemães que tiveram a ideia de decorar as árvores com bolas coloridas e velas desde o século 16. Até Martinho Lutero teve a sua influência na árvore de Natal; diz a lenda que o frade foi o primeiro a colocar velas nos galhos de um pinheiro.

Algumas fontes sugerem que a primeira árvore de Natal nos Estados Unidos foi colocada de pé em 1871 pela alemã Friederike Riedesel Freifrau zu Eisenbach, nascida em Brandenburg. Mas foi 60 anos depois que popularizou a árvore de Natal como símbolo da festa através de uma foto da Família Real do Reino Unido em frente a uma árvore de Natal ornamentada, publicada em diversas revistas americanas. Fora o marido alemão da Rainha Victoria do Reino Unido, Príncipe Albert of Saxe-Coburg und Gotha, que trouxera as tradições natalinas alemãs para o Reino Unido, para mais tarde serem popularizadas pelos americanos.

Também a coroa do Advento (Adventskranz) foi inventada por um alemão. Uma guirlanda com quatro velas para acender a cada domingo do advento, que começa quatro semanas antes do Natal, a Adventskranz foi uma forma de criar uma contagem regressiva para o Natal. Um pastor evangélico de Hamburgo que trabalhava num orfanato criou a guirlanda com vinte velas pequenas e quatro grandes (para os domingos), uma por dia. Assim, todos os dias uma vela era acesa e as crianças, a partir desse artefato, sabiam quando o Natal estava chegando.

Típica guirlanda, a Adventskranz  (foto: Michael Blahout/Shutterstock)

A canção de Natal mais popular do mundo – Noite Feliz – é baseada no original alemão

A famosa canção Noite Feliz é uma tradução de Stille Nacht, composta pelo padre austríaco Joseph Mohr (tudo bem, não é alemão, mas na língua alemã!). O padre criou um poema e pediu ao seu amigo músico Franz Xaver Gruber para que a transformasse em melodia, para tocá-la na missa de Natal. A música foi traduzida para mais de 45 idiomas.

Outras canções natalinas também se originaram da Alemanha e foram traduzidas principalmente para o inglês, como O Tannenbaum (O Christmas Tree), composta em torno de 1550.

Tradições que persistem com o tempo

É claro, hoje o Natal tem um caráter mais materialista, quase que o significado original dessa festa se perdeu com o tempo. Mesmo assim, na Alemanha certas tradições te trazem para perto da família ou para simplesmente dar um toque de mágica para a infância. Reunir os amigos ou familiares para criar deliciosos biscoitos caseiros, a contagem regressiva com o Adventskranz (que podem muito bem ser feitos em casa) ou com o Adventskalendar (um calendário com uma janelinha para cada dia com chocolates a serem descobertos), é muito comum. Apesar de existir muito a questão materialista na Alemanha como em qualquer lugar do mundo, esse é ainda um tempo de reflexão, de família, de reunir amigos para tomar um Glühwein num mercado de Natal. É tempo de dar prioridade ao que realmente tem valor na vida. Portanto, não é só da véspera de Natal e do nascimento de Cristo em si, quando a família se reúne para uma refeição e para troca de presentes; é muito mais que isso.

Vale lembrar que o Natal vai além do dia 25; o dia 6 de janeiro é o dia dos Três Magos, o qual finaliza a estação natalina após os doze dias de Natal.

Confira o calendário de como festejar o Natal à moda alemã!

Aproveitando o Natal como os alemães

01/12 – Hora de começa a abrir as janelinhas do seu Adventskalendar.

03/12 – Primeiro domingo do Advento. Assopre a primeira vela da sua guirlanda e tome tempo com seus familiares ou amigos.

05/12 – Véspera do Dia de São Nicolau. Coloque sapatinhos ou botas do lado de fora para receber os presentes do santo na manhã seguinte.

06/12 – Dia de São Nicolau: veja seus filhos felizes ao receberem chocolates e presentinhos. Um ótimo dia para fazer biscoitos caseiros.

10/12 – Segundo domingo do Advento.

17/12 – Terceiro domingo do Advento.

21/12 – Solstício de inverno (oficialmente o primeiro dia do inverno). Brinde a estação mais fria com um Glühwein.

24/12 – Véspera de Natal. É geralmente quando se monta a árvore de Natal.

25/12 – Primeiro dia de Natal (Erster Weihnachstag). Reúna-se ao redor da árvore para abrir os presentes trazidos pelo Menino Jesus (ou Papai Noel) e prepare ganso assado com repolho roxo e batatas.

26/12 – Segundo dia de Natal (Zweiter Weihnachstag). Aproveite o dia de folga.

31/12 – Ano Novo (Silvester).

01/01/2018 – Primeiro dia do ano. Aproveite a folga.

06/01/2018 – Dia dos Três Magos (Heilige Drei Könige).

Desejo a você e sua família uma maravilhosa estação natalina!

Visite o blog da autora:

Última atualização deste post: 13/12/2017

Curta Alemanha para Brasileiros no Facebook e acompanhe as publicações do site