Weinbergspark
Alemães tomando banho de sol no Weinbergspark, em Berlim-Mitte

Os alemão são verdadeiros adoradores do sol!

Sempre que chega o inverno e eu fico aqui esperando pela volta do sol e do calor, recordo-me de quando coloquei os meus pés pela primeira vez em solo alemão e vi uma coisa que me deixou abismado: era início de verão, fazia sol e os alemães estavam literalmente espalhados por todos os cantos, deitados na grama, sentados em bancos e cadeiras, uns parcialmente, outros totalmente despidos, e todos tinham o rosto voltado para o céu.

Fiquei parado, observando a cena, admirando tanta devoção ao sol. Olhei para o relógio na torre da igreja e vi que era uma da tarde e lembrei que nessa hora qualquer baiano sai correndo do sol, buscando a sombra mais próxima. Mas os alemães não: ficavam ali, como se quisessem que os raios do sol torrassem as suas faces pálidas, depois de terem suportado um inverno severo e uma primavera meio tímida.

Todos tinham fome de sol. Confesso que tive dificuldade de compreender tal comportamento, já que o sol para mim era a coisa mais natural do mundo.

Minha infância tropical foi diariamente aquecida por muita luz solar. Nunca imaginei que o sol pudesse ser algo tão especial!

Hoje, mais de duas décadas depois, e já familiarizado com a vida na Alemanha, compreendo melhor o que vi naquele dia, mesmo que ainda me espanto quando dou de cara com um monte de gente estirada no chão, tomando banho de sol praticamente em qualquer lugar.

Tive a sorte de ter vivido grande parte da minha vida sem conhecer o inverno. Aquilo que na Bahia é conhecido como inverno só pode ser inverno de baiano mesmo, com temperaturas acima de vinte graus! Mas acreditem: ainda assim, os baianos sentem frio! Isso mostra o quanto o corpo humano se adapta ao seu ambiente. Em regiões realmente frias do planeta, fala-se de verão quando são atingidas as temperaturas do inverno baiano.

Conheci na Europa o que é realmente um inverno: temperaturas abaixo de zero, dias curtos – às vezes o dia só amanhece realmente às nove ou dez da manhã, anoitecendo já entre quatro e cinco da tarde – e muito pouco sol. O céu pode ficar nublado por dias seguidos ou mesmo semanas, cai neve e pode chover muito. E quando chove, o solo fica liso, tendo sido pura sorte eu nunca ter caído e quebrado o nariz. Escorreguei muitas vezes, mas sempre consegui segurar-me em algo ou alguém.

Precisei passar por isso e fazer minha própria experiência com o inverno alemão para compreender tanta adoração pelo sol. Não demorou muito para que eu também saísse de casa nos primeiros dias ensolarados do ano, indo para a área verde mais próxima, estirando-me no chão e recarregando minha bateria solar.

É normal que valorizamos pouco o que temos em abundância, enquanto outros fariam de tudo para ter um pouco mais da mesma coisa. E é assim com o sol. No Brasil, temos muito sol e o valorizamos pouco – pois até hoje nem sequer reconhecemos o potencial energético por ele representado. Apesar do pouco sol, a energia solar é muito mais aproveitada por aqui que no Brasil, que ainda investe muito pouco em energias renováveis.

Na Alemanha é comum ver casas com placas fotovoltaicas no teto e muitos equipamentos públicos (como caixas eletrônicos para pagamento de estacionamento e bombas para chafariz) são hoje alimentados com energia solar.

É difícil compreender porque aqui tanto se esforça para aproveitar o pouco de sol que se tem e o Brasil não se interessa realmente por esta tecnologia. Ao invés disso, preferimos apostar em plataformas offshore de petróleo e usinas hidrelétricas monstruosas, como a de Belo Monte, às custas de uma destruição ambiental perversa e irracional.

Os alemães veem o sol poucas vezes por ano. Para falar a verdade, os alemães vivem esperando pelo sol. Eles só falam do tempo, que é previsto várias vezes por dia por meteorologistas na televisão. Eles se alegram por qualquer dia ensolarado, saem para passear, sentam em cafés, andam de bicicleta…

Mas dias de sol no inverno são raros e também extremamente frios. Portanto, os alemães esperam pelo sol da primavera, já mais quente, com temperaturas em torno de 15 graus, quando então já dá para sair de casa com menos roupa e sem bater os dentes.

Só que a primavera alemã é uma menina malcriada, que faz o que quer. Às vezes, chove muito e os dias de sol são também raros. Isso faz com que os alemães na primavera esperem então pelo sol do verão, esse sim um sol de verdade, bem quente.

Os dias de verão são longos, anoitecendo quase às dez da noite. No verão, os alemães estão felizes, de bom humor e curtindo a vida ao máximo. Eles lotam as piscinas públicas, lagos e rios, ocupam todos os cafés e restaurantes com lugares a céu aberto e só querem uma coisa: mais sol. Eles têm pressa de abastecer sua bateria, pois sabem que o verão é curto e que também pode ser interrompido por uma frente fria ou quente (com trovoadas, inundações e tudo que se tem direito). Logo o verão passa e no outono a história se repete: os alemães voltam a esperar pelo sol.

Mais do que compreensivo que esse povo adore o sol tanto assim. Portanto, quando você ver um alemão sentado no meio da rua com o rosto para cima, voltado para o sol, deixe o coitado em paz. Ele precisa disso.

Curta Alemanha para Brasileiros no Facebook e acompanhe as publicações do site

 

Leia também:

Os alemães e sua relação com o consumo – Uma nova forma de olhar as coisas

10 motivos para gostar de Berlim

Quero viajar para a Alemanha como turista. O que preciso saber?

Seu desejo é passar o inverno na Alemanha? Sabe de nada, inocente!

Última atualização deste post: 18/06/2017

Curta Alemanha para Brasileiros no Facebook


 

Gostou? Compartilhe! Obrigado 🙂