Como tirar a autorização de residência para preparação para estudos – “Aufenthaltserlaubnis zur Studienvorbereitung”

Fernanda Reis, uma brasileira residente em Berlim, relata de forma bastante informativa sobre sua experiência de tirar o o visto de preparação para estudos.

0
1528
Como tirar o visto de preparação para estudos -

Por Fernanda Reis 

Fernanda Reis
Brasileira residente em Berlim.

Na semana passada, tirei meu visto de preparação para estudos – Aufenthaltserlaubnis zur Studienvorbereitung, que dá uma permissão de residência por até dois anos para se preparar para entrar na universidade (graduação, pós-graduação, mestrado).

Como tive muita ajuda de pessoas em grupos no Facebook, gostaria de retribuir contando como foi, pois acho que pode ajudar quem ainda vai passar por isso.

Vou contar como foi a minha experiência, aplicando em Berlim. O processo pode mudar de pessoa para pessoa e principalmente de cidade para cidade. Então, para ter informações oficiais e seguras, SEMPRE consulte as fontes oficiais da cidade para a qual será feita a aplicação.

Ainda no Brasil, me informei sobre a documentação necessária (listada no site oficial de Berlim) e comecei a organizar o que era necessário.

A primeira coisa que eu fiz foi apostilar os documentos: diploma universitário, histórico universitário e histórico escolar. Apesar de ter ouvido casos de que foi solicitado somente o diploma, preferi apostilar tudo para evitar transtornos. Isso ficou pronto em 3 dias, mas não deixe para a última hora pois o prazo depende de cada cartório em cada cidade.

Depois do apostilamento, enviei os documentos para serem traduzidos por um tradutor juramentado aqui na Alemanha. Enviei por e-mail e peguei assim que cheguei em Berlim.

É sempre mais recomendável traduzir documentos na Alemanha, pois nenhum órgão alemão é obrigado a aceitar uma tradução feita por um tradutor juramentado no Brasil. Muitos órgãos até que aceitam, mas obrigação eles não têm nenhuma. Traduzir seus documentos no Brasil representa sempre o risco das traduções serem recusadas e você ter que gastar dinheiro duas vezes. Na dúvida, consulte o órgão, ao qual os documentos devem ser apresentados!

O próximo passo foi o seguro saúde. Como eu tinha comprado minha passagem com o cartão de crédito Visa, eu tinha direito a um seguro viagem gratuito por 60 dias. Então, ativei esse seguro e contratei o seguro saúde alemão por 22 meses a partir do 61º dia, quando terminaria meu seguro viagem.

Pesquisei muito sobre isso, se o seguro viagem valeria pelos primeiros 60 dias para a aplicação do visto ou se eu deveria contratar o seguro saúde desde o início. Não encontrei muita informação e fui no risco. No meu caso eles aceitaram 60 dias de seguro viagem + 22 meses de seguro saúde. Eu contratei o Care Concept, mas tem outras opções.

A entrada na Alemanha foi tranquila, cheguei por Frankfurt. Eu estava com o seguro viagem, a passagem de volta, contrato de aluguel, tudo em mãos, mas não me perguntaram nada, não me pediram nada, simplesmente carimbaram meu passaporte e pronto.

Muita gente fala que não precisa comprar a passagem de volta já que você vai aplicar para o visto de mais de um ano e tal, mas eu entrei em contato com o Consulado alemão no Brasil e eles me disseram que no momento que você entra você é um turista e que mesmo que vá aplicar para um visto, esse pode ou não ser concedido, então, pode ser que no momento de entrada no país a imigração encrenque com a falta da passagem de volta. Então, para evitar problemas eu comprei a passagem de volta com data marcada dentro dos 90 dias de turista com possibilidade de remarcar.

Assim que cheguei em Berlim, fiz a matrícula na escola de idiomas para um curso intensivo, com pelo menos 18 hora/aula por semana, por 4 meses.

Algumas pessoas tinham me falado que 3 meses seriam suficientes, outras falaram que tinha que ser pelo menos 6 meses. Eu acabei fazendo por 4 meses.

Também nos primeiros dias, peguei um documento com a imobiliária que confirmava que eu morava no apartamento onde eu aluguei um quarto e, depois de preencher um formulário (disponível aqui), fui até o Bürgeramt (sem hora marcada, cheguei às 7 da manhã), mostrei o formulário no balcão de informações, onde peguei uma senha, e, em pouco mais de 2 horas, saí de lá com o Anmeldung (registro de moradia) em mãos. O atendimento foi tranquilo, falaram comigo em inglês sem problemas.

Com o Anmeldung em mãos iniciei a saga para abertura da conta bloqueada. No site do Consulado alemão no Brasil, eles indicam duas opções para abertura dessa conta: Deutsche Bank e Fintiba. O primeiro um banco “normal” com agências físicas em todo canto, e o segundo um banco on-line com agência somente em Hamburgo.

A conta bloqueada (Sperrkonto) é uma das formas de comprovar que você tem como se sustentar na Alemanha. É uma conta onde se deposita o valor mínimo pra viver por um ano (8.640 euros) e o banco só libera uma 1/12 do valor por mês.

Como alternativa à conta bloqueada, pode ser apresentado um termo de responsabilidade (Verpflichtungserklärung) assinado por uma pessoa que viva legalmente na Alemanha e possua meios financeiros suficientes para isso.

Ainda no Brasil, tinha decidido que abriria a conta no Deutsche Bank por achar que, por ser um banco “normal”, seria mais fácil e mais seguro. Só que quando comecei o processo, vi que no quesito facilidade eu estava enganada: é mais difícil abrir uma conta nesse banco que passar em medicina na Federal. Eu fui em umas 5 agências tentar entender o processo de abertura da conta e não entendi muita coisa a não ser que o processo poderia levar até 50 dias para eu ter a carta que confirmasse o valor bloqueado na conta.

Eu não estava disposta a esperar esse tempo todo e então decidi dar uma chance para o Fintiba, o que uma boa decisão. Entrei no site preenchi as informações necessárias, tive que fazer algumas verificações de documentos, endereço, esperar validação da equipe do banco e em menos de 24h eu já tinha uma conta aberta e podia fazer a transferência. Fiz a transferência pelo TransferWise (tive que fazer 4 transações, mas ainda assim saiu mais barato que transferir pelo meu banco) e assim que o dinheiro caiu na conta fui notificada e informada que a carta de confirmação do valor bloqueado já estava disponível para download.

Com todos os documentos em mãos (diploma e históricos, comprovante do se,guro de viagem/saúde, carta de matrícula da escola, Anmeldung e carta do Banco) imprimi o formulário de aplicação (disponível no primeiro link desse texto), preenchi, tirei a foto em uma daquelas maquininhas que tem nas estações do metrô e lá fui eu no Ausländerbehörde.

Não consegui marcar uma hora. Então, às 5 da manhã de uma quinta-feira, estava eu lá na fila esperando iniciar o atendimento. Um detalhe: eu era a 60ª pessoa. A gente sempre ouve falar de histórias de terror sobre o atendimento público na Alemanha, mas não comprovei essas histórias, comigo foi muito tranquilo. Às 6h da manhã, abriram o prédio e começaram a entregar as senhas, o segurança perguntava (em alemão e inglês) a cada um qual o caso e entregava a senha.

Em menos de meia hora, começaram a chamar as senhas e estava sendo muito rápido, chamavam de 5 em 5 a cada 10 minutos, de forma que antes das 7h meu número foi chamado e, num balcão, a atendente começou a falar em alemão e eu perguntei se poderia falar em inglês e ela disse “Yes, kein Problem!”, ha ha ha… Então falei que iria aplicar para o visto de preparação de estudos e já fui entregando os documentos. Ela passou um por um, tirou cópia do meu passaporte e o devolveu junto com os históricos e disse que não eram necessários. Me deu uma nova senha e falou que a previsão de atendimento era 10:30h.

Voltei então para a sala de espera e fiquei lá matando o tempo e pensando: Nossa, pensei que ia mofar aqui esperando, mas pelo jeito vai ser super rápido! Uma doce ilusão…

Às 10:30h, uma amiga, que aplicou para o mesmo visto e fala um pouco de alemão, chegou lá para me acompanhar na entrevista, mas o tempo foi passando e nada de me chamarem. Já era 14:30h e minha amiga teve que ir embora e nada de me chamarem. 15h, 15:30h, naaaaada… além de estar morrendo de fome, eu já estava entrando em desespero, mas às 15:40h me chamaram.

Cheguei na sala e uma mulher suuuuper simpática (de verdade) começou a falar em alemão, eu joguei logo um “Sorry!” e ela começou a falar em inglês e me pediu meu passaporte, digitou algumas coisas e pediu para eu aguardar mais um pouco e que me chamaria pela mesma senha.

Depois de uns 20 minutos, ela me chamou e disse que estava tudo certo, que o visto tinha duração de 2 anos, pediu para eu assinar um termo de ciência que, se no final dos 2 anos, eu não tiver ingressado em uma universidade, eu tenho que deixar o país, e me entregou o recibo para o pagamento da taxa.

Paguei a taxa, num caixa eletrônico que tem dentro do prédio mesmo, voltei lá, entreguei o comprovante e peguei os documentos (só o formulário ficou lá) e meu passaporte com o visto!

E foi isso, apesar de muita espera e muita fome, foi muuuuito mais tranquilo do que eu imaginei.

Espero que esse “pequeno” relato seja útil!

Fernanda Reis


Significado de algumas palavras alemãs utilizadas no texto:

Aufenthaltserlaubnis zur Studienvorbereitung
Visto de preparação para estudos

Bürgeramt
Repartição pública onde cidadãos podem fazer seu registro de moradia, carteira de identidade, passaporte, etc.

Anmeldung
No contexto do texto: Registro de moradia

Ausländerbehörde
Repartição de estrangeiros

Leia também:

Quero viajar para a Alemanha como turista. O que preciso saber?

O que um turista brasileiro precisa saber antes de viajar para a Alemanha

 

A responsabilidade pelo conteúdo do artigo é do autor e não retrata necessariamente a opinião da página e seus editores.


Última atualização deste post: 21/11/2017

Curta Alemanha para Brasileiros no Facebook e acompanhe as publicações do site