Os casos nominativo acusativo, dativo e genitivo

“Bicho malvado! Nunca vou aprender esse diacho de acusativo, dativo e genitivo!”, disse-me uma moça brasileira, já desesperada por não entender os casos alemães. Ela e muitos outros se desesperam por não compreender e eu me desespero por não conseguir explicar de uma forma que eles entendam.

Estava pensando no assunto e resolvi tentar explicar mais uma vez, talvez de uma forma menos convencional. Percebi que os próprios nomes dos casos já passam uma ideia da diferença entre eles.

É claro que a matéria é um pouco mais complexa e há outras aplicações dos casos alemães, mas penso que essa noção básica pode ajudar na diferenciação para quem está começando.

Vejamos os quatros casos alemães:

Olhe bem cada uma dessas palavras. Que noção elas lhe passam?

Perceba que

  • nominativo se refere a nome
  • acusativo vem de acusar/acusação
  • dativo passa a ideia de dar/dádiva
  • e genitivo dá a ideia de Gênese, de começo, origem, genitor – o genitivo é “o que marca a origem”

O nominativo

Então, o nominativo, por se referir ao nome (normalmente o sujeito da frase, quem pratica a ação), fica inalterado:

Eu fica eu mesmo -> ich

Der Mann (o homem) fica der Mann

No nominativo, a palavra assume sua forma original, sem qualquer mudança. Se você diz, por exemplo, „A mulher é bonita“, a mulher (die Frau) é o sujeito da frase e fica sempre assim mesmo:

Die Frau ist schön.

Acho que até aqui não há maiores dificuldades de compreensão. Vamos então ver o caso acusativo:

O acusativo

A palavra acusativo passa a ideia de acusação e é exatamente esse sentido que quero usar para tentar explicar.

acusar = beschuldigen

Se acuso alguém de algo, esse alguém é quem sobre a ação (acusação) praticada pelo sujeito (eu). Esse alguém é o objeto direto da frase e fica, portanto, no acusativo.

Eu acuso você! = Ich beschuldige dich!

Ele acusa o homem = Er beschuldigt den Mann

Aqui o acusativo é quem sofre a acusação, o que vale do mesmo jeito para qualquer outra ação:

Eu vejo você = Ich sehe dich
Aqui você (du) é visto por mim (ich), sendo o objeto direto da frase e passando para o acusativo (dich)

Outros exemplos:

Ele vê o homem = Er sieht den Mann
Der Mann
(o homem) é quem é visto, sofre a ação e passa para o acusativo den Mann.

A mulher come o peixe = Die Frau isst den Fisch
Der Fisch
(o peixe) é comido pela mulher, sofre a ação e passa para o acusativo den Fisch

Portanto, o acusativo é na frase quem sofre uma ação direta do sujeito (nominativo).

O dativo

Um dos melhores verbos para explicar o dativo é mesmo dar, pois ilustra muito bem. Veja só:

Normalmente se dá algo a alguém. O algo, o que é dado, o que sofre a ação, é o objeto direto, que já vimos acima, ou seja: o acusativo. Mas, e esse alguém, que também sofre a ação, mas indiretamente, já que recebe aquilo que foi dado? Esse alguém é o objeto indireto e, assim, o dativo.

Exemplo:

Eu lhe dou o pão = ich gebe dir das Brot
Eu (nominativo) dou o pão (o acusativo) a você (dativo) = Ich (Nominativ) gebe dir (Dativ) das Brot (Akkusativ)

O mesmo vale nesta frase:

A professorauma caneta ao aluno = Die Lehrerin gibt dem Schlüler einen Stift

Repare só:

Vimos acima, no acusativo, que uso dich para dizer que você sofre uma ação praticada pelo sujeito da frase:

Ele vê você = Er sieht dich

Agora repare o que aconteceria se eu usasse o dich também para o verbo dar:

Eu lhe dou (algo)

Se você dissesse Ich gebe dich, isso não significaria que você estaria dando algo a mim, mas que você estaria dando minha pessoa; não significaria estou dando (algo) a você, mas estou dando você, o que, nesse contexto, não faria sentido.

Por isso, se usa aqui o dativo, que quer dizer que a ação sofrida é indireta. Você não está sendo dado, mas recebendo o que está sendo dado.

Outro verbo interessante para entender o dativo é o verbo wünschen (desejar). Você acorda de manhã cedo e deseja a alguém que gosta um dia maravilhoso:

Ich wünsche dir einen wundervollen Tag!

Aqui é a mesma coisa. O que você deseja é um dia maravilhoso (einen wundervollen Tag). Esse é o objeto direto, o que é desejado, portanto, o acusativo. A pessoa a quem você deseja o dia maravilhoso é o objeto indireto e aqui se usa o dativo.

Portanto,

  • quem dá é o nominativo,
  • o que ele dá é o acusativo e
  • a quem ele dá é o dativo.

Ou com desejar:

  • quem deseja é o nominativo,
  • o que se deseja é o acusativo e
  • a quem se deseja é o dativo.

O genitivo

Para mim, o genitivo é bem mais fácil que sua fama. Não é nenhum bicho de sete cabeças. E acho que é bem mais fácil de explicar que o dativo ou o acusativo. O genitivo tem a ver com origem e com ligações entre palavras. Die Nase des Kindes (o nariz da criança) mostra bem isso, a relação entre Nase (nariz) e Kind (criança), deixando claro que o nariz pertence à criança, que não é um nariz qualquer, mas sim o nariz da criança. Sem o genitivo, escreveríamos die Nase vom Kind (die Nase VON + DEM Kind), usando von com o dativo, mas que não soa muito elegante.

A população do Brasil em alemão, sem usar o genitivo, seria

Die Bevölkerung von Brasilien

com o genitivo

Die Bevölkerung Brasiliens ou Brasiliens Bevölkerung

Muita gente tem medo do genitivo e o evita, recorrendo ao dativo em seu lugar. Algumas preposições exigem o emprego do genitivo (como wegen), mas é comum então se escutar “wegen dem” ao invés de “wegen des”.

Penso que o genitivo, além de ajudar muito ao formular frases, torna o alemão mais bonito, mais melódico. Des Vaters Sohn soa para mim bem mais bonito que der Sohn vom Vater.

Bom, espero ter ajudado 😉

Recomendo este outro post, onde tento explicar de uma forma mais detalhada:

Idioma alemão: os casos nominativo, acusativo, dativo e genitivo

Última atualização deste post: 24/08/2017

Curta Alemanha para Brasileiros no Facebook


 

Publicação original: „Bicho malvado! Nunca vou aprender esse diacho de dativo, acusativo e genitivo!“

Curta a página do autor no Facebook

 

Gostou? Compartilhe! Obrigado 🙂