Sobre expatriados e a dificuldade de voltar para o Brasil
Por Raquel Sá – Psicoterapeuta e Coach, Especialista em brasileiros expatriados

Muitas pessoas que moram fora do Brasil há bastante tempo passam por um período de dúvida se quer ou não voltar para o Brasil. As dúvidas são inúmeras, e a ansiedade e angústias provocadas por essa dúvida parecem não ter fim.

E por que isso acontece? Os fatores são muitos. Porém existem alguns principais e comuns a maioria das pessoas que passam por essa enorme dúvida. São desses fatores comuns que irei falar um pouco nesse artigo, que busca contribuir com questões que devem ser refletidas na hora de tomar essa decisão tão importante e tão delicada.

Então continue lendo para saber mais sobre:

A dúvida e o eterno equilibrar dos pratos

Você já se sentiu meio que imprensado por uma dúvida cruel, do qual os fatores que são colocados na balança parecem entrar em perfeito equilíbrio e por isso mesmo você não consegue decidir?

Você pensa se vale a pena voltar para o Brasil ou não. Aí você começa a colocar na balança os pontos positivos e negativos. Quando você lista os negativos a balança despenca. Facilmente você se recorda do que te fizeram sair do Brasil e recomeçar a sua vida aí no país que você está. E aí você pensa ter resolvido a questão.

Mas aí, não demora muito, você começa a pensar o que na sua vida aí, no país que você escolheu para ser sua segunda casa. E você percebe que a sua vida não anda lá tão bem assim. Mais uma vez você se lança a fazer uma lista dos pontos negativos de se viver aí onde você está. E a balança, mais uma vez parece despencar e voltar para o Brasil parece a solução.

É aí então que a ansiedade toma conta. Você compara as duas listas negativas e a balança entra em equilíbrio. E de repente tudo está igualmente negativo. E você começa então a fazer a lista dos pontos positivos do Brasil e do país em que você está. E então a dúvida só aumenta. Dá uma vontade louca de gritar, de sair correndo, de não pensar mais naquilo. De querer que as coisas se resolvam sozinhas.

Esse sentimento é muito comum entre brasileiros que moram fora. E o que está por trás dessa angústia? Como posso resolvê-la? Vou citar alguns exemplos aqui e listar alguns pontos importantes que devem ser considerados para tomar essa decisão.

Por se tratar de uma decisão muito séria, é importante ter consciência de forma objetiva dos fatores envolvidos. Sair um pouco da emoção momentânea e analisar racionalmente alguns pontos. Vamos a eles.

Trabalhar em trabalhos que estão aquém de suas habilidades técnicas aprendidas

limpeza-1

Muitos brasileiros vão morar fora para aprender a língua estrangeira. Muitos já têm uma graduação ou formação feitas no Brasil, e vão com visto de estudante para aprimorar seus conhecimentos na língua. Muitos começam trabalhando com serviços que exigem menos das habilidades intelectuais e mais das habilidades braçais, para ajudar com custeio dos estudos. E não há demérito nenhum nisso! Contudo, com o passar do tempo, essa realidade começa a se tornar muito pesada. Porque afinal de contas, você tem uma formação. Você se esforçou por ela. Fez estágios, virou noites estudando, deu duro por esse diploma. E obviamente você quer seguir carreira na profissão que escolheu. Porém no país em que vive hoje não vê muitas possibilidades de realizar esse projeto que passa a ser um sonho. Um sonho muitas vezes distante de se realizar. Isso afeta a sua autoestima e você se sente preso a uma realidade sem perspectivas de mudança.

Mudanças sempre são possíveis. E sempre há alternativas. Nem sempre são alternativas fáceis. Porém são possíveis. Coisas a se considerar neste ponto:

1. Mudar de profissão

Fazer outra formação no país que você está. Outra universidade ou uma formação técnica. Claro que não será fácil. Os cursos são caros e há uma série de requisitos para fazer isso. Porém existem possibilidades de bolsas, de cursos técnicos voltados para áreas próximas a sua formação,  sponsor para profissões com carência de mão-de-obra, alguns incentivos governamentais para algumas áreas, etc. Tem muita gente que consegue. Com dificuldades, mas consegue. Então existe a possibilidade.

A questão a ser respondida aqui é: Eu estou disposto a mudar de profissão para continuar vivendo aqui e futuramente conseguir um visto permanente? Respondendo essa pergunta tudo fica mais claro.

2. Voltar para o Brasil e seguir com minha profissão

Você pode voltar para o Brasil e seguir com sua profissão lá. Recomeçar a sua vida no Brasil. Não há nada de errado nisso. Muitas pessoas fazem isso, e conseguem ótimas posições por conseguir aliar a sua profissão toda a experiência de vida e conhecimentos adquiridos quando morou no exterior. O importante em se refletir aqui é: Irei enfrentar todas as dificuldades brasileiras que me fizeram tentar a vida em outro país. Porém a experiência de morar fora me proporcionará ter outras possibilidades no Brasil.

É importante ter bem claro que a volta para o Brasil será outra experiência. Não será a mesma experiência que você tinha quando saiu do Brasil. Você irá encontrar outro Brasil. O tempo passou. Algumas coisas mudaram. Você mudou muito. E sua forma de ver as coisas e ver o Brasil também mudaram consideravelmente. E isso é importante ficar muito claro. Você não voltará para vida que tinha antes de sair do Brasil, você irá recomeçar e reconstruir sua vida. Outras possibilidades se abrirão.

3. Voltar para o Brasil e tentar, através do Brasil, a emigração para o país que escolheu

Hoje existem diversos programas que incentivam a migração para outro país. Devido a mão-de-obra escassa em certas profissões, alguns países oferecem oportunidades interessantes de imigração. Você pode voltar para o Brasil, trabalhar em sua área e paralelamente se preparar para uma emigração. Nada impede de você voltar para o país que você morava antes. Ou tentar a vida em um país diferente. Assim como a decisão de sair do Brasil não precisa ser definitiva, a decisão de voltar para o Brasil também não precisa ser. Você sempre tem escolhas. E elas podem mudar ao longo do tempo. Assim como você muda, as circunstâncias mudam, você também pode mudar de planos e rever escolhas.

Enfrentar a realidade brasileira

chaos

Muitos brasileiros buscam fazer a vida em outro país devido a qualidade de vida. É inegável que muitos países possuem uma qualidade de vida melhor que o Brasil. Nossos problemas são os mesmos há décadas. E não conseguimos ver mudanças significativas para os próximos anos. Problemas com segurança, saúde, educação e corrupção são nossos companheiros desde que nos entendemos por gente. E estes problemas estão longe de serem resolvidos. Voltar para o Brasil significa, muitas vezes abrir mão das facilidades e qualidade de vida já adquiridas em outro país. Porém, viver fora não é só um mar de rosas. Passamos por dificuldades que nunca passamos antes em nosso país. Como dificuldades de conseguir um emprego melhor remunerado. Seja por não dominar a língua, seja porque o visto conseguido não permite trabalhar a quantidade de horas necessárias a esses empregos melhor remunerados.

Bem ou mal, você não está em sua terra natal. Até você conseguir a sua cidadania você é um estrangeiro. E por mais que você seja aceito e recebido de braços abertos, essa questão não deixa de existir. E em algumas situações a sua condição de estrangeiro fará a diferença. Como ter um emprego em tempo integral para quem tem visto de estudante, por exemplo! Isso também pode vir afetar a sua autoestima. Além de poder provocar sentimentos de solidão e não aceitação.

Homesick

triste

A homesick é saudade de casa. E apesar da homesick ser em certa medida algo natural e que faz parte do processo, ela nunca deixa de estar presente. É um sentimento que muitas vezes machuca. E a tolerância a ela é particular para cada um. Somadas a esse sentimento de saudade de casa, está o sentimento de não se sentir completamente parte do país que você vive hoje por continuar na condição de estrangeiro. Isso pode ser um fardo pesado para algumas pessoas. O autoconhecimento é chave para descobrir a sua tolerância a hmesick.

Sentimento de solidão

estadio-1

Assim como descrito no item anterior, a saudade da família e dos amigos é constante. Optar por construir a vida em outro país, implica em escolher limitar o convívio com os familiares e amigos.

Um ponto crítico dessa balança está na saudade das pessoas queridas e amadas. Se você mora em um país muito distante do Brasil, como Austrália, Nova Zelândia, Japão, por exemplo, esse fator tende a ser ainda mais crítico. E por que?

Porque as enormes distâncias te impedem de visitar com maior frequência o Brasil. Se para os EUA são em torno de 15 horas de viagem, para Austrália são em torno de 30 horas. Uma diferença que não pode ser ignorada. E o que isso implica?

Isso implica que com visitas menos frequentes, você tende a participar menos da vida de seus familiares e amigos. Seus pais vão envelhecendo, seus irmãos construindo suas vidas e suas famílias, seus sobrinhos crescendo, e você… bem você participa disso tudo de longe.

Você também irá fazer sua vida, sua família e eles também participaram disso de longe. Isso porque cada um faz suas próprias escolhas. E muitas vezes são escolhas bem diferentes. Então esse fator deve ser seriamente refletido ao tomar sua decisão de voltar ou não para o Brasil.

É claro que você sempre pode visitar o Brasil e receber sua família em sua casa. Pode também manter contato por Skype, whatsapp e etc. A tecnologia está aí para nos ajudar. Mas o convívio pessoal deve ser levado em conta.

Muitas vezes esses aspectos não são refletidos com a devida atenção. Mas eles abrem um leque para reflexões mais complexas que não podem ser evitados na hora de tomar a decisão de construir a vida em outro país. Questões aparentemente simples, mas que geram impactos imensos. Questões como: os filhos falarem português, terem contato com a cultura brasileira, conseguir se comunicar com seus familiares no Brasil, e sentirem orgulho da origem de seus pais (dos pais ou de apenas um deles) são fatores que não devem ser ignorados na hora de tomar essa importante decisão. Até para saber como agir diante dessas situações que podem gerar conflito e mal-estar.

Sentimento de mudança e melhores oportunidades

liberdade-1

Como tudo tem dois lados, o sentimento de melhores oportunidades e maior realização também pode estar presente na escolha de morar em outro país. Muitos optam por morar fora para dar condições melhores para si e para seus filhos. Acreditam que terão uma vida mais plena e com maior qualidade de vida. Maior conforto, maior segurança e maior estabilidade. De fato, morar fora traz muitas perspectivas e muitos sonhos. O importante é ter em mente que nem tudo é um mar de rosas e dificuldades ocorrerão. Mas elas ocorrerão de qualquer jeito. Você morando no Brasil ou no exterior. O importante é ter conhecimento dessas dificuldades para poder conseguir enfrentá-las de forma mais assertiva e com menos sofrimento.

Conclusão

balanca-1Morar no exterior é o sonho de muitos brasileiros. Realmente, há muitos ganhos como qualidade de vida, segurança e estabilidade. Porém não é uma escolha sem dificuldades e sem problemas. Toda escolha implica em abrir mão de algo, e cabe avaliar se você está disposto a pagar o preço que é exigido. Não há como fugir disso. Você voltando para o Brasil ou ficando de vez onde você mora hoje, você terá que abrir mão de algumas coisas para ganhar outras. Cada pessoa sabe onde lhe é mais penoso o preço de sua escolha. Por se tratar de algo muito pessoal, somente uma análise sincera de si e da realidade concreta em que vive você poderá tomar essa decisão tão difícil de forma mais consciente.

E tudo bem você mudar de planos e rever escolhas. Sempre quando nos sentimos desconfortáveis é importante rever nossos planos e ter coragem de mudá-los. O importante é ter em mente que, qualquer decisão implica em perdas para se ter ganhos. E qualquer decisão que você tome, você precisará de um tempo de adaptação e transição para se ambientar e aceitar a nova realidade. Mesmo se optar por ficar você terá que decidir se ficará nas condições que você está hoje ou se precisa se movimentar para mudar essa realidade atual. Não se desespere, esse momento de transição é difícil, mas passa. O importante é tomar a decisão quando é necessário. Mesmo que mais tarde você a mude.

Este texto buscou levantar questões para uma reflexão mais aprofundada de pontos importantes a levar em consideração na hora de se fazer essa escolha. Tem como objetivo ajudar os brasileiros que estão passando por essa dúvida de voltar ou não para o Brasil. Espero que o texto tenha contribuído para nortear um pouco seus questionamentos.

E lembre-se nenhuma escolha é definitiva ao ponto que você não possa voltar atrás ou fazer novas escolhas. Mesmo que estas novas escolhas sejam escolhas já feitas anteriormente.

lar-alem-mar

Leia também: