Homesick: A saudade de casa que é constante. Como lidar com a dor que não termina?
Por Raquel Sá – Psicoterapeuta e Coach, Especialista em brasileiros expatriados

Homesick é a saudade de casa, da família e dos amigos. É saudade do Brasil e de sua história.

Esse sentimento é muito comum em pessoas que decidem morar longe de casa e se manifesta como uma saudade intensa e gera dor e sofrimento para muitos brasileiros que vivem no exterior. E, como todo sentimento, ele se manifesta de forma mais intensa em alguns momentos.

E o que fazer com essa dor?

É o que vamos ver nesse artigo. Continue lendo para entender mais sobre:

O que é a homesick?

Homesick: A saudade de casa que é constante. Como lidar com a dor que não termina?

Homesick ou homesickness é a saudade de casa e de objetos que lembram a sua casa e sua cultura. Ela é muito comum em pessoas que decidem morar longe de casa, como em outro país ou em outro estado.

Ela pode ocorrer tanto quando a pessoa já está longe de casa, como antecipadamente. Quando se está na eminência de sair de casa.

Como ela se manifesta

Muitas vezes a homesick se manifesta através da saudade de objetos e situações que lembram sua cultura e sua casa. Pode ser uma comida, uma música, uma dança, um artista, ou mesmo um objeto de estimação que lembre a sua casa, sua cultura e as pessoas que você ama. Qualquer coisa que te conecte a sua cultura.

Sabe aquela velha frase: Você só dá valor quando perde? Pois é! A homesick é expressão máxima da vivência dessa frase. Tudo que antes era comum e até meio sem graça ganha novo sentido. A ausência do convívio e do acesso das coisas simples, e até tidas como bobas antes, ganham nova perspectiva e valores renovados.

Esse sentimento é muito comum…

Esse sentimento é muito comum. Na verdade, quase todas as pessoas sentem falta de algo que tinham em casa, o que torna esse sentimento quase universal.

Quando se está em outro estado esse sentimento é amenizado pela segurança psicológica da facilidade de deslocamento para sua casa, por exemplo. Porque você está no mesmo país, é seu país de origem, as distâncias são mais curtas, você usa a mesma moeda, a passagem geralmente é mais barata. Você ainda está em seu país, o que dá uma segurança de ainda estar em casa. O sentimento de pertencimento e de casa são expandidos para um cenário maior de país. Meu país, minha casa.

Quando se mora em outro país esse sentimento é potencializado devido a distância física, a cultura e línguas diferentes. Se expressar em outra língua, que não a materna, sempre é um esforço. Principalmente no início. Além disso há diferença nos códigos comportamentais. O que é muito invasivo e inapropriado para você, pode ser muito natural em uma outra cultura. E vice-versa. A comida é diferente, a música é diferente, muitas vezes o vestuário é diferente. São muitas diferenças, muitas delas sutis, que potencializam esse sentimento de ser estrangeiro. De não identificação com aquele país, aquele povo e aquela cultura. É um sentimento de não pertencimento àquele lugar.

É claro que com o tempo, este sentimento de não pertencimento vai diminuindo. Você vai se adaptando a nova cultura e as coisas começam a ficar mais fáceis. No entanto a saudade de casa e da sua cultura permanecem. Em maior ou menor grau ela estará lá. E nos momentos de dificuldade ela encontra campo fértil para se manifestar.

Como lidar com essa saudade que não passa?

Homesick: A saudade de casa que é constante. Como lidar com a dor que não termina?

Nas formas brandas e saudáveis que ela se manifesta, simples ações fazem a diferença na luta contra a homesick.

  • Entrar em contato constante com a cultura materna.

Isso se manifesta de diferentes formas. Pode ser ouvindo músicas brasileiras, assistindo filmes nacionais, cozinhando a comida que se costumava comer em casa. Falar com familiares e amigos no Brasil. Ver fotos de casa e das pessoas queridas que estão no Brasil.

  • Manter contato com brasileiros que moram na sua cidade

Outra característica marcante para driblar a homesick está em fazer amizade com outros brasileiros. Brasileiros geralmente se conectam com outros brasileiros. É quase um clã que se forma. Há festas para brasileiros, encontros, comunidades na internet, venda de roupas, comidas e serviços direcionados a brasileiros. Até passeatas para salvar o Brasil os brasileiros se unem para fazer em outro país. Tudo isso é a tentativa de levar um pouquinho de Brasil para onde você mora. É como trazer um pedacinho de casa para perto de você!

Pontos positivos da homesick: sim eles existem!

Apesar de não parecer a homesick oferece alguns pontos positivos, que se forem identificados poderão ser melhor aproveitados. Ao entende-los e aceita-los eles te auxiliarão no autoconhecimento e crescimento pessoal.

1. Paixão nacional

Um ponto positivo da homesick é que ela gera um sentimento de nacionalidade tão forte, que os brasileiros passam a dar valor a coisas de sua cultura que antes lhes passavam desapercebidas. É a necessidade de pertencimento, de encontrar o seu lugar. No fundo é a necessidade de se sentir em casa.

2. Fortalecer vínculos

Outro efeito colateral positivo da homesick é o fortalecimento de vínculos familiares e com amigos que continuam no Brasil.

Por estar de fato muito longe geograficamente, e longe do que lhe é familiar, as pessoas tendem a buscar esse conforto no convívio, mesmo que virtual e a distância, com os amigos e familiares que ficaram no Brasil.

É uma forma de se sentir presente nas suas vidas, e em última instância está ainda fazendo parte da vida no Brasil.

Conclusão: a homesick é sua companheira

Homesick: A saudade de casa que é constante. Como lidar com a dor que não termina?

A homesick é, portanto, um sentimento natural a todos que saem de casa. Apesar do desconforto que a saudade intensa causa, ela não é nenhum bicho de sete cabeças e traz até alguns benefícios.

Ela estará sempre presente. E quando a saudade apertar, algumas ações simples poderão amenizá-las e proporcionar-lhe conforto.

Além disso ela te ajuda a fortalecer vínculos com sua cultura e seu país. Aumentando o seu sentido de pertencimento e identidade.

lar-alem-mar

Leia também: